Estrela D’Alva Futebol Clube

PeladeirosO ano era 1974. Mês: Maio ou Junho. Foi a época que me senti o dono de um time de futebol. O ano que muitos dizem que foi o auge da “ditadura militar”, o que eu considero uma injustiça. Foi um ano bem tranquilo na vida de minha família. Eu tinha só 11 anos. Para mim foi um dos anos mais legais da minha vida. Era o ano da copa do mundo. Tínhamos a segurança de que seriamos tetra na Alemanha. Como sempre a nossa seleção era imbatível. Tudo bem que o Pelé não iria mais jogar, ora, tínhamos ainda o divino Ademir da Guia.

No bairro onde eu morava as ruas eram de terra, mas em breve estariam todas asfaltadas e o campinho, onde jogávamos bola, estava sendo revitalizado. Haviam máquinas da prefeitura espalhadas pelo bairro. Naquele dia, juntamos a molecada e fizemos umas traves de madeira e testamos jogando a famosa rebatida. Tecemos uma rede tosca feita de barbante que um moleque amigo nosso “roubou” da mãe costureira. Jogo era de duplas. Uma dupla no gol e a outra dupla batendo pênaltis alternados. Se a dupla no gol rebatesse a bola, um da dupla que estava no gol saia para a linha contra a dupla de batedores. Gol direto valia 1, de rebatida valia 2 e bola na trave e valia 3.

Foi nesse campinho que as mais memoráveis partidas de futebol da minha infância foram travadas. A rua 2 contra a rua 3 e também contra a rua 1. Às vezes, quando não era jogo rua contra rua, montávamos os times misturados no Jakken Po , escolhíamos o lado do campo no par ou ímpar. Disputávamos: Tubaína de Maçã, sanduba de mortadela ou biscoito de polvilho. Muitas vezes aconteciam injustiças e os considerados “piores” jogadores,  não eram escolhidos.

Por uma razão, que até hoje não sei explicar, ficava chateado com isso e resolvia frequentemente jogar do lado dos “injustiçados”. Ficava no time dos lixos. Dos renegados. Me recordo que as melhores partidas foram essas, onde jogávamos com a alma, com raça, pois sabíamos que não tínhamos talento para  ganhar dos bons. Muitas vezes perdi a tampa do dedão do pé. Outras vezes, ficava com o joelho sangrando. Mesmo assim, o jogo jamais parava. Muitas vezes fomos humilhados pelos craques da rua. Mas eu insistia em jogar sempre no time fraco. Não por me achar o bom, mas talvez por ser ruim também, mas principalmente por querer fazer parte de uma improvável e saborosa vitória do time considerado “fraco”. Quando vencíamos, comemorávamos pela praça toda, e quando isso acontecia, ficávamos sob os olhares de desprezo dos bons do pedaço.

Um dia, um pouco antes das férias de junho e com a expectativa do inicio da copa do mundo da Alemanha, fizemos um jogo contra a rua 1. Como sempre montei meu time com os renegados. Aquele dia a escalação foi incrível: Éramos eu, vulgo “o magrão”, meu irmão “o cabelo de anjo”, o Cascão, Neca “o gago”, Mário “manco”, Vandi “meleca” e Jorge “caolho” no outro time tinha: Deley, Flavinho “Peidorreiro”,  Xavier Gringo, Maurinho “o rato branco”, Jaci “cabelo de índio”, Adauto Melancia o craque e Zé Pedro “o louco”, jogavam muito.

A fama do time da rua 1 com um mix da rua 3 era de imbatíveis. Jogamos como nunca aquele dia. Perdemos como sempre. De lavada. Saímos na porrada com eles por causa de um gol de mão claro feito pelo Jaci, ele era esperto e bom de bola, mas vivia sacaneando. O jogo nem acabou.

Voltei para casa indignado. Queria revanche. Naquela noite chamei meu irmão e fizemos uma reunião. Tínhamos que criar um time oficial só pra sacanear os bons. O time dos renegados. Pensamos, pensamos e não achávamos um bom nome.Estávamos no quarto de dormir. De lá conseguíamos ouvir a gritaria da molecada correndo pelas ruas do bairro brincando de “carrocinha”, tipo Policia e Ladrão. Abri a janela e vi a lua cheia e logo abaixo a estrela mais brilhante do céu. Eu sabia que era um planeta e sabia que era mais conhecido como Estrela D’Alva. Na hora batizei meu futuro time de Estrela D’Alva Futebol Clube. Eu e meus sonhos megalomaníacos.

No dia seguinte bem cedo, reuni o time dos renegados e anunciei minha criação. Sem grana e sem recurso algum, vi que tínhamos que montar um “fardamento”. Perguntei se alguém tinha alguma camiseta branca e velha em casa, sabe aquelas que teriam apenas como destino ser pano de chão? Pois é, pedi que procurassem e trouxessem para imprimir o escudo e a numeração. Éramos pobres. Não tínhamos nada. Mas logo, algumas camisetas furadas, outras meio rotas, apareceram, mas faltavam a do Cascão e de outro garoto.. Fui pra casa, abri as gavetas e fucei até achar algumas outras lá no fundo, cheirando a naftalina. Juntei uma para mim, outra para meu irmão e mais duas, uma para o Cascão e outra para o Neca e as outras eram dos outros jogadores. Tínhamos então 8 camisetas. Achei uma caneta piloto verde sem tinta e coloquei álcool para revitalizar a tinta e consegui desenhar o escudo que ficou mais ou menos assim:

1 Dalva

Rabiscamos os números atrás das camisetas, eu era o 10. Eu era o Ademir da Guia. No dia seguinte, levei o “fardamento” para o pessoal do time. Cada  um ficou com a sua, cada um era responsável pela sua camiseta. Quando nossos adversários souberam do novo time, ficaram loucos. Queriam marcar um jogo naquele dia mesmo. Queriam nos destruir. Mas seguramos o ímpeto e marcamos a peleja para o dia seguinte. Na pracinha. Com as traves e a rede tosca. Ansiedade geral.

No dia seguinte, estávamos lá, na hora marcada, para a estreia do nosso amado Estrela D’Alva Futebol Clube. O time dos renegados. Eu sabia que iríamos ganhar. Era um sentimento só meu.

Vestimos as rotas camisas orgulhosos. O time adversário tirou um sarro da gente. Entramos em quadra, ali, e rapidamente decidimos quem sairia jogando, quem jogaria no gol, sem juiz para atrapalhar. Eu tinha uma bola de borracha dente de leite original, a bola era minha, mas eu queria é jogar com ela, furar se possível, mas tinha que ganhar aquele jogo. Regras definidas: Vale tudo, menos mão na bola e gol de mão, não vale sair do jogo mesmo se ralar a perna, joelho. Vira 4  acaba 8.

Foi um jogo memorável. Duro. Sem bola perdida. Gol lá, gol cá.  O jogo virou 4 a 3 para a rua três. Segundo tempo. Eles estavam preocupados, queriam acabar logo com o jogo. Saíram feito loucos querendo marcar logo 4 gols e acabar com a disputa. 5 a 3. Tomamos um gol inesperado que furou a rede tosca. Meu irmão foi até a rua lá embaixo e pegou a bola já surrada pelo jogo duro. Trouxe a dente de leite debaixo do braço em silêncio e colocou no meio do campo para a nova saída. No entreolhamos e percebi que ele queria surpreender o adversário. Fiquei com o pé sobre a bola e dei um pequeno toque para ele encher o pé direto para o gol adversário, no ângulo. 5 a 4. Na saída do time adversário, Cascão, sem querer, tomou a bola do Adauto Melancia, e ela veio para mim que toquei  encobrindo do goleiro deles. 5 a 5. Tensão no ar. Faltavam três gols para cada lado. Uma hora de jogo. Na nova saída, o time adversário tentou chutar a bola direto para o nosso gol. Mas ela foi longe e caiu na rua lá embaixo.

– Quem vai buscar? Gritou alguém. – Eu vou! falou Cascão.

O garoto correu e sumiu atrás de um muro. Todos tensos esperando o Cascão voltar e nada. Passaram-se alguns minutos, lá vem o Cascão sem a bola.

– Cadê a bola Cascão? eu gritei.

Nem respondeu, pois atrás dele vinham o temidos meninos da vila do sapo, um deles com a bola. Fim de jogo. Empate forçado para minha profunda decepção. Para não apanharmos na nossa rua pelos “maloqueiros”, marcamos um contra no campo deles e eles ficaram com a bola que seria recuperada se ganhássemos no campo de areia na casa deles.

Nem preciso contar que para o jogo contra os meninos da vila do sapo, levamos os melhores da nossa vila. O Estrela D’Alva Futebol Clube ganhara reforços, era o segundo jogo e o primeiro na casa de um adversário, em um campo de areia e lama ao lado de um córrego de esgoto fedorento. Finalmente ganhamos e por isso, foi porrada para todo lado, o plano dos meninos da vila do sapo era ficar com a bola, levamos socos e pontapés, mas heroicamente recuperamos a nossa bola. Cheguei em casa feliz da vida com o meu troféu recuperado. Tinha sido o último jogo do meu time. Meu inesquecível Estrela D’Alva.

* César Manieri (54),  é engenheiro, músico, empresário, professor e especialista em educação matemática, diretor da escola Integro. Escreve em seu blog “Na metade do Caminho” e autor de textos e pensamentos sobre conservadorismo, religião, política, educação e auto conhecimento.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s