De repente, me tornei um criminoso…

deguisement-prisonnier-bagnard-adulteHoje, no Brasil e no mundo, a cada dia que passa, está se tornado um crime ser um homem conservador e cristão. É muito feio, hoje em dia, ser uma pessoa dita de direita, que agora é cinicamente chamada de “extrema direita”. É ser um tolo, pensar de forma liberal, mas um pouco longe do “Laissez faire” economicamente falando. Por isso, de repente, me tornei um fascista criminoso de merda aos olhos dos senhores de todas as virtudes e ativistas do politicamente correto.

             Certa vez, quando eu disse, em uma aula na faculdade, que achava um absurdo a cultura do trans gênero, o trans humanismo, do aborto e da eutanásia, e que era pecado todas essas loucuras, me chamaram de tudo: extremista, fascista, machista, sexista, homofóbico, conservador idiota, direitista, medievalista, intolerante, desonesto, fundamentalista e fanático. Que eu poderia ser processado por ativistas de diversas ONGs se ouvissem eu falar dessa forma tão preconceituosa.

                    Para tantos, sou um fascista, mesmo que, de verdade, eu deteste gente do naipe de Mussolini e seus asseclas. Mussolini era aquele cara do fáscio, da touceira de lenha unida a um machado. Esse era o símbolo máximo do poder estatal, que subjuga a tudo e a todos ao seu poder de coerção. Sou fascista criminoso por querer ter o direito de possuir uma arma para apenas proteger quem eu mais amo da ação de bandidos psicopatas, sejam eles quais forem, inclusive dos bandidos e políticos parceiros do Estado e do próprio Estado e seus governos comuno-socialistas totalitários.

           Sou agora um pai de família criminoso por aceitar a finitude da vida e que crê na transcendência, mas sem filosofar muito. Que reza antes de dormir, pedindo ao Pai, Criador do universo, que dê a todos os meus irmãos de luta a Paz e a Luz necessárias para caminhar neste mundo de injustiças, dor e trevas. Onde já se viu, aos olhos de muitos, só posso ser um hipócrita criminoso carola que peca, mas que crê que será salvo por um tal de Nosso Senhor Jesus Cristo. Sim, isso é verdade, espero que ele me perdoe de todos os meus pecados cometidos e os que ainda irei cometer, afinal sou humano e não santo, mas busco isso sempre e me de uma chance de desfrutar da vida eterna ao Seu lado. Pra muita gente, isso soa ridículo e de certa forma intolerante. Tudo isso , apenas por criar meus filhos na fé cristã para dar a eles a oportunidade de amar o próximo em Cristo e nada mais.

         Sou um perigoso extremista, para tanta gente, por entender que qualquer outra cultura religiosa deva ser respeitada até a página um e que entende que tolerância tem limites e as portas abertas da mente também. Gente como eu é tratada como um intolerante direitista nazi fascista, justamente por não aceitar o vilipendio de sua crença. Sou um porco conservador, por não aceitar a violação do corpo e da inocência de crianças e adolescentes. Por não aceitar que minha fé seja blasfemada por “artistas” e “intelequituais” e por ninguém deste ou fora deste mundo.

                Sou considerado um nazista criminoso só por amar o meu país e por saber cantar o Hino do Exército, apenas uma lembrança do grupo escolar do tempo em que eu podia brincar na rua sem medo.

              Imaginem só, sou confundido com um nazista, mesmo detestando gente do tipo Adolf Hitler, que cooptou homens tão psicopatas quanto ele para compor o partido do Nacional Socialista dos Trabalhadores Alemães e  que o ajudou a matar todas aquelas pessoas inocentes e indefesas.

         Sou um xenófobo nojento por querer proteger nossas fronteiras de terroristas, bandidos, traficantes e todo tipo de criminoso sem escrúpulos. Sou uma pessoa má, por sentir a dor desse povo brasileiro tão sofrido e que sofre junto mais ainda quando percebe que muitos incautos caem no canto da sereia e compram as ideias fáceis do socialismo, ideologia composta de gente psicopata que só quer nos matar e destruir o que resta de nossa pouca cultura que definha aos poucos.

           Sou o tipo de homem que “não passará” justamente por amar minha terra e respeitar suas raízes e suas origens lusitanas. Não passarei, na visão daqueles que não entendem que a história do nosso país foi muito mal contada desde o descobrimento, por seus professores panfletários e emaconhados.

           Sou um homofóbico por querer proteger meus filhos e todas as crianças (mesmo as que ainda não nasceram e que muitos insistem em matar para que não nasçam) da coerção educacional estatal e da chamada ideologia de gênero ou qualquer outra sandice sexual que envolva crianças e adolescentes. Sou isso, por apenas entender que crianças devem ficar longe de qualquer discussão sobre sexualidade, só por entender que elas devem ser apenas protegidas e amadas por seus pais ou responsáveis até se tornarem adultos responsáveis.

        Sou um machista apenas por entender que homens e mulheres são de natureza diferentes e que um jamais poderá ser o outro em essência, mas são almas únicas e que se complementam e que foram criadas para que se amem e se respeitem eternamente.

        Por fim, sou mesmo um criminoso infame por tudo isso, por querer deixar meus filhos longe da escola e das garras do MEC. Por não aceitar esse secularismo efêmero e que pretende destruir tudo que de admirável, homens com seus espíritos conservadores e inteligentes e que são o suficiente corajosos para entender a realidade, construíram nos últimos dois mil anos.

          Na verdade criminalizam homens assim, porque querem que tenhamos vergonha de ser quem somos, querem calar nossa boca com gritos histéricos, feito aqueles bebes chorões que gritam quando a mamãe some de sua vista fraca. Querem apenas silenciar pais de família, homens simples, de coragem e que querem proteger conservar a sua amada família. Homens que querem proteger o que foi duramente construído pelos seus antepassados e pela civilização ocidental por mais de dois mil anos e que nos trouxe até aqui: O legado espiritual, que é o amor Cristão; o legado cultural, que é a filosofia grega e o legado da justiça, que é direito romano.

* César Manieri (54),  é engenheiro, músico, empresário, professor e especialista em educação matemática, diretor da escola Integro. Escreve em seu blog “Na metade do Caminho” e autor de textos e pensamentos sobre conservadorismo, religião, política, educação e auto conhecimento.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s